CONTACTO

  • Direito Comparado no Twitter
  • Direito Comparado no YouTube
  • Direito Comparado no LinkedIn
  • Direito Comparado no Facebook
  • Direito Comparado no Instagram

©2019 | Núcleo de Estudos em Direito Luso-Brasileiro Comparado & DRA Europe.

www.DireitoComparado.pt - todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução integral ou parcial sem prévia autorização.

Please reload

Acordo Previdenciário Brasil Portugal:

decisão da justiça portuguesa pacifica entendimento sobre períodos contributivos.

Por Renato Morad Rodrigues, do gabinete de direito comparado do Dias Rodrigues Advogados.

 

Os trabalhadores que tenham descontado para a previdência brasileira ou portuguesa têm direito a que os períodos de contribuição sejam somados para efeitos de concessão de aposentadoria por idade em ambos os países.

 

Com este entendimento, a justiça portuguesa reforçou a aplicação em Portugal do Acordo de Segurança Social entre Brasil e Portugal, e anulou decisão que negou o pedido de antecipação da aposentadoria por idade (pensão por velhice) a um nacional brasileiro que havia contribuído para o INSS e para a Segurança Social.

 

No caso, um cidadão brasileiro havia apresentado requerimento de pensão por velhice quando contava com 61 anos de idade, 19 anos de registro de remunerações em Portugal e 24 anos de registro de remunerações no Brasil.

A autoridade portuguesa afirmou que não haviam sido completados 30 anos de registro de contribuições, requisito para a concessão do pedido segundo o Regulamento português (Decreto-Lei n.º 187/2007), o que foi revisto pelo judiciário português favoravelmente ao brasileiro.

 

A LEI PORTUGUESA

 

Em Portugal, a pensão por velhice – correspondente à aposentadoria por idade no Brasil - é prevista no art. 20.º do Regulamento do Regime Jurídico de Proteção nas Eventualidades Invalidez e Velhice (Decreto-Lei n.º 187/2007), que exige um prazo de garantia de 15 anos civis de registro de remunerações e 65 anos de idade.

 

O regulamento ainda flexibiliza os requisitos para a concessão, oportunizando a antecipação do benefício a partir dos 55 anos, desde que se comprove o cumprimento do prazo de garantia  de 15 anos e 30 anos civis de registro de remunerações (art. 21.º).

 

A autoridade portuguesa entendeu que o brasileiro, à época em que completou 55 anos, não preenchia os 30 anos civis de registro de remunerações por não se poder contabilizar os anos de contribuição no Brasil.

O Acordo de Segurança Social estabelecido entre Brasil e Portugal, contudo, concede esta possibilidade no art. 9.º, n.º 1, pelo qual as contribuições feitas em um ou em ambos países devem ser computadas conjuntamente para a concessão dos benefícios decorrentes de invalidez, velhice e morte.

O TCAN (Tribunal Central Administrativo Norte, com sede na cidade do Porto) deu interpretação favorável ao requerente, consolidando a aplicação do art. 9.º, n.º 1 do Acordo de Segurança Social Brasil Portugal, declarando nula a decisão recorrida e condenando a entidade a apreciar o requerimento de antecipação da aposentadoria por idade (pensão de velhice).

De acordo com o dispositivo, "uma pessoa que haja cumprido períodos de seguro sob a égide das legislações de ambos os Estados Contratantes terá esses períodos totalizados para concessão das prestações decorrentes de invalidez, velhice e morte, exceto quando estiverem satisfeitas as condições estabelecidas por aquela legislação, sem que haja necessidade de recorrer à totalização''.

Acesse aqui a íntegra do acórdão.

SEMINÁRIO ONLINE

Embora não se trate de um ato internacional recente, o acordo previdenciário luso-brasileiro tem atraído cada vez mais a atenção dos trabalhadores, profissionais independentes e empresários que circulam entre os dois países. No atual cenário de fluxos migratórios e trocas comerciais, o planejamento previdenciário decorrente do acordo surge como objeto de estudo para os atores deste contexto.

A este tema se dedica o seminário online Acordo de Segurança Social Brasil e Portugal: notas sobre uma previdência luso-brasileira, em ambiente 100% online através da plataforma do Portal Direito Comparado.

 

Clique aqui para mais informações.

Para contactar o autor e fazer comentários, preencha o formulário: